Páginas

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Bodega Catena Zapata


A Arte do Assemblege



O corte de diferentes varietais, lotes e inclusive colheitas é um arte tão antigo como a enologia mesma. Em Burdeos, o corte das cinco famosas cepas – Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Petit Verdot e Malbec – é um arte milenário, onde cada componente adiciona certo grau de complexidade ao vinho.


Durante os últimos vinte anos, Nicolás e Laura Catena trabalharam incansavelmente junto a sua equipe de agrônomos apontado  ao descobrimento, identificação e desenvolvimento dos melhores micro-climas das zonas altas de Mendoza. Nicolás Catena tem plantado uma enorme quantidade de varietais e clones em diferentes lugares e altitudes da montanha.



Esta busca para lograr a qualidade, levou a Nicolás e Laura a um crucial descobrimento no que se refere à influência da altitude no cultivo da videira na Mendoza. Ao observar as importantes diferenças de solo, temperaturas médias e amplitude térmica que apresenta cada vinhedo segundo a altitude, descobriu que inclusive vinhedos muito próximos entre si, apresentam grandes diferenças e micro-climas notavelmente diferentes.


Com os anos, o aprofundamento destes estúdios, determinou que o mesmo varietal, e inclusive o mesmo clone, apresentam diferentes perfis aromáticos e de sabor, segundo o micro-clima particular em que se os cultive. É assim como implementando a antiga arte do assemblage, descobriu que ao cortar diferentes lotes de um mesmo varietal, pode-se obter um vinho muito mais complexo.


Assim como os grandes artistas empregam seu espírito criativo para misturar e combinar cores na produção de suas magníficas obras de arte, esta ampla variedade de seleção de diferentes lotes tem permitido aos enólogos de Catena Zapata, adentrar-se neste criativo e complexo processo de cortes para criar o desenhar o vinho final.


A partir da safra 2001, nossos vinhos Catena e Catena Alta, reflectirão esta nova filosofia de vinificação. Serão o resultado do corte de diferentes micro-climas e levaram na etiqueta a denominação Mendoza, em lugar do nome específico de um vinhedo. A única excepção será o Catena Alta Chardonnay, já que pensamos que o vinhedo Adrianna, localizado a 1.480 m s/n do mar é o melhor lugar para o cultivo de Chardonnay na Mendoza.


Freqüentemente se acredita que os vinhos que levam o nome específico de um vinhedo são de melhor qualidade. Porém, em Mendoza, ao igual do que em Bordéus, estamos convencidos que a arte da assemblage oferecerá um vinho muito mais atraente.


Para enfatizar este conceito revolucionário de varietais de um único vinhedo e de corte ou blend de micro-climas, a partir da colheita 2002, engarrafamos 5 Malbecs provenientes de 5 vinhedos distintos. Ao provar cada Malbec, se poderá perceber as diferenças entre cada micro-clima e terroir das zonas altas vinícolas de Mendoza.



D.V. Catena


A elaboração de vinhos a partir de diferentes cortes, diferentes varietais, diferentes lotes e diferentes colheitas é uma arte tão antiga como a da enología mesma. Em Burdeos, o corte das cinco famosas castas, Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Petit Verdot e Malbec, tem séculos de história.

Durante os últimos 20 anos, Nicolás Catena Zapata e a sua equipe de agrônomos plantaram uma enorme quantidade de varietais, incluso de clones diferentes em diversos micro-climas de montanha. A variação de tipos de solo, temperatura média e amplitude térmica que existem em cada altitude, originam um sem-fim de micro-climas únicos.


Com os anos, estas investigações levaram a determinar que o mesmo varietal, e incluso o mesmo clone, apresenta um perfil aromático e de sabores totalmente diferente, segundo o micro-clima em que se o cultive.


A identificação e a valorização destas diferenças, às vezes muito sutis e outras de grande contundência, têm permitido desenvolver vinhos, que em conjunto possuem uma expressão muito mais complexa, criativa e intensa que se si avaliaram cada um de seus componentes por separado.



Alguns dos Produtos:


D.V. Catena Malbec - Malbec


Ficha Técnica:
Notas de Degustação:
Domingo Vicente Catena Malbec 2007 é um blend proveniente de uvas Malbec dos diferentes vinhedos.  O vinhedo Angélica proporciona aromas a geléia de ameixas maduras e amoras negras, suavidade e volume ao paladar. La Pirámide entrega aromas a frutos negros de caroço e notas de especiarias como pimenta preta e cravo da índia. Conjugam-se de maneira excepcional para dar origem a este vinho, intenso e concentrado, de final prolongado e muito persistente.
 
Alejandro Vigil, Enólogo Chefe
















Nome:
DV Catena Malbec Malbec
Varietal:
100 % Malbec
Safra:
2007
Vinhedos:
Lot 18, Vinhedo Angélica, Lunlunta
Lot 4 , Vinhedo La Pirámide
Fermentação:
Max. Temp.30C durante 14 dias com 25 dias de maceração
Envelhecimento:
18 meses em Carvalho Francês 50% Novo
Álcool:
14,0 % vol
Acidez/ph:
5,70 / 3.70



D.V. Catena Malbec - Malbec


                    Ficha Técnica:
Notas de Degustação:
DV Catena Cabernet Sauvignon-Malbec 2008 é um vinho elegante e complexo, de cor vermelho rubi com reflexos violetas. No nariz apresenta-se intenso e concentrado, oferece notas de especiarias proporcionadas pelo Cabernet Sauvignon do vinhedo La Pirámide, e notas de amoras maduras e ameixas, características do Malbec do vinhedo Angélica, acompanhadas por baunilha, tabaco e licor adquiridas pelo envelhecimento em carvalho. Em boca, de entrada doce e boa complexidade, com taninos integrados e redondos, de final prolongado e persistente. Ideal para acompanhar carnes de caça, como o cervo e o javali.
 
Alejandro Vigil, Enólogo Chefe


Nome:
DV Catena Cabernet - Malbec
Varietal:
50 % Cabernet Sauvignon
50 % Malbec
Safra:
2008
Vinhedos:
Cabernet Sauvignon : La Pirámide
(Agrelo, Luján de Cuyo,940 msnm)
Malbec : Angélica (Lunlunta,, Maipú, 860 msnm)
Fermentação:
Leveduras selecionadas, max temp. ferm. 29°C, durante 12 dias, com 29 dias de maceração
Envelhecimento:
16 meses em 90% Carvalho Francês (30% novo), e 10% Carvalho Americano novo
Álcool:
14,0 % vol
Acidez7ph:
5.55 / 3.72




Compartilhe : :

Patrocinio